Publicado por: Dirceu Rabelo | 23/01/2011

Palavras Lavradas – Poema

 

Palavras

     lavradas

 .

Dirceu Rabelo

 

Lavra-se a madeira

Para dar-lhe feitio;

Lavra-se a ata

Para dar-lhe conteúdo;

Lavra-se a terra

Para dela tirar o sustento

Ou buscar o mineral precioso.

 .

Lavro palavras

Que podem ser perversas,

Com intenções diversas,

Se me talharem o sangue.

 .

Se tenho boa safra

A exibo garboso

Exigente que sou

Lavrador orgulhoso.

 .

Esmero-me em garimpar

Diamantes fonéticos,

Para transfigurá-los

Em rimários poéticos.

 .

Lavro palavras!

Minha pena é meu formão;

Minha mente é meu paiol.

Cada poema que faço

É um pouco que ofereço

Desta minha intelecto/penúria 

Ao viajor que passa,

Indigente de uma lasca de saber.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: