Publicado por: Dirceu Rabelo | 14/01/2012

EXISTEM ESPÍRITOS ERRANTES DE ANIMAIS NA ERRATICIDADE?

EXISTEM ESPÍRITOS ERRANTES  DE ANIMAIS NA ERRATICIDADE?

Desde que me conheço por espírita nesse mundo, sempre estudei que na erraticidade existem espíritos de animais em contato com os espíritos errantes, formando o mesmo vínculo existente aqui, no plano físico. Ocorre que, nos estudos realizados em um grupo mediúnico na casa espírita que frequento, me deparei com uma informação surpreendente publicada em O Livro dos Médiuns, no capítulo que trata a respeito das evocações. Neste capítulo, Allan Kardec faz uma pergunta aos Espíritos a respeito da evocação de animais, e a resposta dada pelo Espírito chama-nos à atenção sobre a existência de animais na erraticidade.

O LIVRO DOS MÉDIUNS, CAP. XXV, ITEM 283, PERG. 36

  36. Podemos evocar o espírito de um animal?

  R – Depois da morte do animal, o princípio inteligente que havia nele, fica em estado latente; este princípio é imediatamente utilizado por certos espíritos encarregados deste cuidado para animar de novo seres nos quais continua a obra de sua elaboração. Assim, no mundo dos Espíritos, não há espíritos de animais errantes, mas somente Espíritos humanos. Isto responde à sua pergunta.

  36ª. Como é então que algumas pessoas, tendo evocado animais, obtiveram resposta?

  R – Evoquem um rochedo e ele lhes responderá. Há sempre uma multidão de Espíritos prontos a tomar a palavra para tudo.

  Como é possível observar, a resposta do Espírito é muito clara e afirmativa quando diz não haver espíritos de animais na erraticidade. Isso realmente muda tudo. Lemos em muitos livros espíritas, mesmo de autores consagrados, sobre a existência de animais na espiritualidade. André Luiz já publicou em suas obras sobre a presença de animais nas colônias espirituais, como pássaros, peixes, cães e outros animais…

  Não quero dizer com isso que André Luiz e mesmo Chico Xavier estão errados, mas a intenção deste estudo é compreender como devemos interpretar essa lição.

  Afirmo, porém, que no momento fico com Kardec, até que alguém consiga trazer uma informação que confirme, por A mais B, baseado somente nas obras de Allan Kardec e ninguém mais, que existem animais na espiritualidade; uma informação que seja tão clara quanto essa que o espírito trouxe à Kardec sobre a não existência desses seres na erraticidade.

  Para complementar a informação, vamos recorrer ao Livro dos Espíritos, nas questões de n° “597 a 600:”.

OS ANIMAIS E O HOMEM:

  597. Pois se os animais têm uma inteligência que lhes dá certa liberdade de ação, há neles um princípio independente da matéria?

  R – Sim, e que sobrevive ao corpo.

  Aqui, como é claro notar, o espírito afirma a Kardec que o Espírito do Animal sobrevive ao corpo. Prosseguindo:

  597ª. Esse princípio é uma alma semelhante ao homem?

  R – É também uma alma, se o quiserdes; isto depende do sentido que se toma essa palavra (ver em o Livro dos Espíritos – Introdução ao Estudo da Doutrina Espírita – Alma, Princípio Vital e Fluido Vital); mas é inferior à do homem. Há, entre a alma dos homens e dos animais, tanta distância, quanto entre a alma dos homens e Deus.

  598. A alma dos animais conserva após a morte, sua individualidade e a consciência de si mesma?

  R – Sua individualidade, sim, mas não a consciência de si mesma. A vida inteligente permanece em estado latente.

  Novamente vemos que os Espíritos afirmam que a vida inteligente do animal, após a morte, fica em estado latente. É o que vimos acima, na afirmação de O Livro dos Médiuns: Depois da morte do animal, o princípio inteligente que havia nele, fica em estado latente. Ora, se o estado de vida é latente, não há atividade; se não há atividade, não há espíritos errantes de animais perambulando no mundo espiritual.

  599. A alma dos Animais pode escolher a espécie em que prefira encarnar?

  R – Não; ela não tem o livre-arbítrio.

  600. A alma do animal, sobrevivendo ao corpo, fica num estado errante, como a do homem, após a morte?

  R – Fica numa espécie de erraticidade, pois não esta unida a um corpo, mas não é um espírito errante. O espírito errante é um ser que pensa e age por sua livre vontade; o dos animais não tem a mesma faculdade. É a consciência de si mesmo que constitui o atributo principal do espírito. O Espírito do animal é classificado, após a morte, pelos espíritos incumbidos disso, e utilizado quase imediatamente: não dispõe de tempo para se pôr em relação com outras criaturas.

  Na resposta acima, as coisas ficam ainda mais claras. Inicialmente, o espírito diz a Kardec que o animal fica numa espécie de erraticidade. Eu compreendo com isso que eles naturalmente vão para algum lugar, e esse lugar seria essa espécie de erraticidade. Mas, seja onde for que fiquem eles não estão em ação, ou seja, não se movimentam, não se relacionam, pois como já vimos acima, o princípio inteligente que havia nele, fica em estado latente. E na conclusão da resposta, afirma mais uma vez com a veemência de sempre que Não dispõe de tempo para se pôr em relação com outras criaturas. Como podemos notar, Allan Kardec obtém sempre a mesma informação dos espíritos, afirmando não existir espíritos errantes de animais. Eles, ao morrer, mantém a vida, como tudo na natureza, mas essa vida, esse princípio inteligente ou não, dependendo da espécie, fica em estado latente, e é utilizado imediatamente ou quase imediatamente pelos espíritos incumbidos disso, para dar prosseguimento em seu progresso. Não dispõe de tempo para se por em relação com outras criaturas!

  E só para complementar ainda mais, vou acrescentar um trecho da Revista Espírita de Junho de 1860, onde Allan Kardec obtém uma dissertação sobre os animais, dada pelo Espírito Charlet. Nessa dissertação, Charlet traz grandes informações sobre o espírito dos animais e sobre sua vida dos animais entre os homens. Após a dissertação, Allan Kardec faz uma análise de cada tópico, e na análise do tópico III, n° 11, faz a seguinte pergunta ao espírito:

  11. Falais de recompensas para os animais que sofrem maus-tratos e dizeis que é de toda justiça que haja compensação para eles. Parece, de acordo com isso, que admitis no animal a consciência do eu após a morte, com a recordação do seu passado. Isso é contrário ao que nos foi dito. Se as coisas se passassem como dizeis, resultaria que no mundo espiritual haveria Espíritos de animais. Assim, não haveria razão para não existirem o das ostras. Podeis dizer se vedes em torno de vós Espíritos de cães, gatos, cavalos ou elefantes, como vedes espíritos humanos?

  R – A alma dos animais – tendes perfeitamente razão – não se reconhece após a morte do corpo; é um conjunto confuso de germes que podem passar para o corpo de tal ou qual animal, conforme o desenvolvimento adquirido. Não é individualizada. Direi, todavia, que em certos animais, entre muitos mesmo, há individualidade.

  Mais uma vez, meus amigos, novas e claras afirmações de que não há espíritos de animais na erraticidade. De que esses seres, esses irmãos menores do desenvolvimento, não se relacionam após sua morte do corpo físico, por entrarem em estado latente.

Notem algumas afirmações de Kardec, neste trecho na Revista Espírita:

“Se as coisas se passassem como dizeis, resultaria que no mundo espiritual haveria espíritos de animais” O termo “se as coisas se passassem”, prova uma afirmação contrária, ou seja, afirma que não se passa dessa forma, mas se outra.


“Assim, não haveria razão para que não existirem o das ostras”.

  Notem a intensidade dessa frase! Ela nos faz pensar da seguinte forma: Se existisse animais como cães, gatos, cavalos etc. no mundo espiritual, também deveria haver pernilongos, ostras, mariscos, moscas, pois todos são formas de vida do reino animal que mantém seu principio após a morte.

E também a afirmação do espírito, ao dizer:

“A alma dos animais – tendes perfeitamente razão – não se reconhece após a morte do corpo”

  Todos esses tópicos são extraídos das obras de Allan Kardec, e como já disse acima, no momento fico exclusivamente com Kardec, a respeito desse estudo e admito a tese da não existência de animais no mundo espiritual.

  Porém, sobre as obras que dizem haver espíritos de animais, eu darei a minha opinião, que foi a melhor conclusão a que cheguei a esse respeito até o momento: essas formas de animais que são relatados nos livros, seriam na verdade uma projeção feita pelos espíritos incumbidos pela beleza do ambiente espiritual. Assim, plasmariam animais para enriquecer a natureza ao redor, assim como plasmam as flores e árvores (Pois que também não existem almas das árvores e flores na espiritualidade).

  Seriam projeções com todos os detalhes da realidade.

  Caso alguém encontre, em Allan Kardec – não aceito nenhuma outra obra – algum ponto que seja tão claro e afirmativo, provando por A mais B que existem animais no mundo espiritual, solicito a gentileza de me enviar, para que possamos dar continuidade nesse estudo tão interessante.

  Afirmo que não estou fechado a afirmações ou negações. Meu interesse único é aprender. E com esse estudo, creio que podemos aprender juntos.

André Ariovaldo
Anúncios

Responses

  1. Texto muito bom, Pai!

  2. Incrível filha, como até no meio espírita as opiniões são controversas à respeito do assunto “animal”. Há espíritas que ainda pensam que nossos irmãozinhos animais são seres à parte na criação de Deus. E sabemos que não são. Beijo do pai!

  3. Oi Dirceu, meu nome é Elisabeth moro em São Paulo aproximadamente 40 anos, mas sou de Alfenas-MG, muito prazer falar com você.
    Sempre tive curiosidade de saber da vida espiritual de nossos irmãozinhos e gostei muito do seu artigo, sua pesquisa é muito esclarecedora.
    Gostaria, se for possível, de saber como se dá a avolução espiritual dos animais se eles migram para espécies mais evoluídas, por exemplo já ouvi dizer que os cavalos são os animais mais próximos do homem, isto baseado na teoria que espiritos de animais evoluem para humano.
    Como você comentou há muitas controversas quando o assunto é espiritualidade entre animais, sinceramente acalento esta teoria de evolução de animais para seres humanos, nada mais justo, eu não me importaria nem um pouco de ter sido qualquer animal.
    Dirceu fique com Deus, muito obrigada pelas belas palavras, um grande abraço para o povo mineiro.

  4. Querida amiga e irmã Elisabeth,
    Já li uma enormidade de livros sobre o assunto e posso lhe dizer que a própria Doutrina Espírita não divulga muito o assunto, para não assustar as pessoas. Outra coisa: se falarmos mesmo a verdade (verdadeira), aí sim!, seremos massacrados por aqueles irmãos de outras religiões que não nos aceitam de maneira alguma.
    Fomos lá no nosso passado, animais irracionais e até pior, vermes e se você quer ficar de boca aberta… fomos vegetais, algas minúsculas e até minerais. PRONTO!
    É essa a verdade que virá à tona com o tempo e conforme as pessoas foram entendendo a vida, a criação Divina. Estamos em evolução constante, não é mesmo? Pois então, o seu cachorrinho está em sua companhia aprendendo com você, para que num futuro, não muito longo, ele seja…HUMANO!
    Os animais mais próximos do ser humano são: os cães, os gatos, os cavalos, os golfinhos, os elefantes e outros.
    Quanto à reencarnação deles: os insetos reencarnam imediatamente, assim como os pequenos animais. Já os maiores levam um pouco mais de tempo, mas que nunca se compara aos seres humanos.
    Grande abraço fraternal!

  5. Boa Tarde, meu amigo Dirceu, muito obrigada pela atenção.
    Como sempre os esclarecimentos da doutrina espiríta faz todo o sentido, fico feliz de saber que a Nina(cachorrinha) e o Zoreba(gato), um dia serão humanos.Abraços!

  6. Sim. E eles costumam “reencarnar” na mesma casa ou voltar como filhotes adotados, para seguir na companhia dos donos ou “deuses” que os adotaram em reencarnações anteriores. Eles querem além do amor, mais ensinamentos para evoluirem juntos com a gente.
    Grande abraço na sua bondosa alma!

  7. Boa tarde,gosto muito de ler seus ensinamentos,,,sim,,,pois pra m é isso ,,sempre estou aprendendo com quem sabe +.Eu gostaria de saber ,,a minha poodle dara,foi embora em 25 de outobro 2011,com 15 anos,,o pai dela o kiko ,,foi agora em 22 de maio 2012,estamos muito triste aqui em casa ele viveu 18 anos ,,+ tivemos que colocar para dormir,,só no pre anestesico ele se foi,,gostaria de saber se foi errado ?se Deus vai um dia m cobrar por isso?ele estava sofrendo muito passava o dia rodando em circulos,,só dormia com analgesico,depois nem isso + fazia efeito,,sofri e sofro por isso tudo,,cada dia que passa eu m sinto culpada,,m ajude a tirar essa dor,,esse vazio,,nem a caminha dele não consegui ainda tirar do lugar,,é verdade que os animais quando desencarnam ainda ficam tres meses em nossa casa?.Gostaria muito de saber,sera que ele ou ela voltam para m?um abraço forte,muito agradeçida,,QUE JESUS O ABENÇOE.

  8. Jandira, querida amiga e irmã!
    Como você, querida amiga pode sofrer por se sentir culpada. Culpada de quê? Culpada por quê? Por amar muito um irmãozinho que está em evolução e que Deus deixou que você desse a ele carinho e amor, a fim de encaminhá-lo na escalada evolutiva?
    Você os tratou como filhos e eles foram embora cheios de amor por você também. Você os ensinou o que é o verdadeiro amor: O AMOR DE MÃE. No futuro, quando eles já estiverem bem evoluídos como animais, já podem renascer humanos assim como nós e iniciar nova jornada. E você os ensinou o verdadeiro amor.
    Então, por que sofrer? Tenha saudades deles e se possível procure logo um filhotinho bem bonitinho que lhe agrade e com certeza um deles estará ali, já reencarnado, retornando para você, pois a reencarnação deles se faz bem depressa.
    Sempre tive cães e gatos e nas ninhadas seguintes, eu via a “carinha” daquele que havia morrido um ano antes. Ele tinha retornado e o amor se fazia pleno. Agora mesmo tenho uma gata que é a avó dela perfeita, até nos defeitos… Mas cheia de amor por mim.
    Vamos, anime-se! Você sempre fez o melhor para eles e eles amam você e, portanto, Deus a ama muito também.
    Abraço amigo deste mineiro que também adora os animais…

    • Obrigada pelas palavras de conforto,até agora não consigo tirar a caminha dele do lugar,,as outras partes da casa onde ele andava coloquei jarrinhos de flores,,já dei tudo dele ,,menos a caminha ,,dizem que ele ainda fica conosco por tres meses,,não sei se é verdade,,+que adianta pois não consigo ve-lo,nem senti-lo.vou tentar viver minha vida um pouco pois estava só para ele,,depois ou quando Jesus m colocar outro na minha vida vou ama-lo,e cuidar como cuidei do meu Kiko e minha Darinha.As vezes penso em um gatinho + nunca criei um em apto,tem uma feirinha de adoção aqui no meu bairro no Rio de Janeiro todos os sabados e vejo muitos gatinhos,vou pensar e pesquisar como criar em apto,,quem sabe,,cachorro pode tambem vir como gato?obrigada por tudo pelo conforto das suas palavras,,um forte abraço desta Pernambucana,,que virou carioca,,,fique com Jesus e tenha um otima semana. Jandira Duarte..

  9. Olha, querida Jandira; gato em apartamento “é fria” como se diz na gíria. Eles gostam de quintais e eu mesmo tenho três:duas fêmeas e um macho. Eles caçam o dia inteiro e às vezes chegam em casa e só voltam à tardinha. São amorosos, mas discretos. Não são tão apegados como os cães.
    Acho melhor você adotar um filhote de cachorrinho mesmo.
    Grande abraço fraternal.

  10. Olá… eu estou sofrendo muito, meu gato morreu ontem, ele infartou, foi questão de 5 minutos. Ele ficou sem ar e nesse tempo gritou 3 vezes de dor. Cheguei a ver seus últimos momentos, vi ele perdendo o oxigênio e a boca passando de rosinha a roxo escuro. Não paro de chorar. A princípio, ele tinha problema no coração, descobrimos pq ao levar ele na pet shop ele teve sua primeira crise de stress, foi quando a veterinária disse que ele não poderia mais tomar banho. Desde então, passado duas semanas do acontecido apareceram descamações em sua pele, resultado este do nervoso que havia passado lá. Passei alguns remédios e depois de 1 mês, o pelo ja estava voltando a crescer, creio que estava se recuperando. Mas como o gato andava muito sujo e com esses probleminhas poupei alguns comodos do apartamento, como meu quarto (o qual ele dormia comigo e com meu esposo),e um quarto de passar roupas. Também tive que evitar pegá-lo no colo porque além disso, eu tb estava tratando de uma foliculite que não sarava nas minhas pernas (a qual ainda estou). Sentia que ele não gostava dessa situação já que ele me acompanhava em todos os lugares da casa. Confesso que ele não gostava de ser manuseado nem um pouco, mas dava todo amor e carinho que um animal que ama o dono podia dar. Babava no meu cabelo, entrava ate no banheiro… ele em si, só faltava falar, mto inteligente, muito companheiro. Me sinto culpada, meu sentimento é de querer morrer também, porque tenho certeza que ele se sentiu rejeitado, por conta dessas coisas e eu não estou exagerando porque eu me distanciei demais mesmo dele, via que o semblante dele estava infeliz, um olhar angustiado, esse gato nem miava mais. Acho que ele está magoado comigo. Parece um martelo no meu coração. Como saber se o animal morreu triste com seu dono???? Como pedir seu perdão???? Como saber se ele te perdoôu???? Digo isso sem exagero, é que o meu animal foi intenso, ele era muito irritado, o que me irritava também a gente se estranhava, mas eu sou racional ele não, porém, era maravilhoso no carinho e eu mais ainda quando ele era assim… sempre falava a ele que o amava, dava beijo em seu rosto, pegava na sua mão. Ai não sei mais o que fazer. No dia que ele morreu (ontem) eu nem fiquei com ele direito, nem dei atenção, se eu soubesse oq estava por vir. Meu marido chegou de viagem e ai meia hora antes da gente sair de casa o gato faleceu. Ele esperou firme 2 dias meu marido chegar pra poder dizer adeus. Por favor responda minhas perguntas. Moro em apartamento disso ele não gostava, sempre ficava na janela. Se ele chegar a reencarnar em outro gatinho, será bom traze-lo de novo????

    • Mônica Elisa, querida irmã! Fico com o coração na mão quando recebo comentários, ou melhor, pedidos de socorro de pessoas assim como você que perdem um amiguinho, um filhinho peludo e não sabem o que fazer. Na maioria das vezes se sentem culpados de tudo e acham mesmo que eles morreram por causa da falta de carinho, ou de amor que não receberam. Nada disso! Nós somos escolhidos por Deus para tomar conta de seus filhinhos menos evoluídos para que eles possam conosco evoluírem um pouco mais e depois voltarem para nós em novas encarnações (deles) e continuarem seus aprendizados.
      Não se torture e para que você se sinta bem vou dizer a você que ele vai retornar em breve, mas aguarde um pouco e confie em Deus. Ele não sente mágoa alguma de você, mesmo porque seu “espírito” que ainda está em formação está no Plano Espiritual “guardado” por Espíritos Superiores que tomam conta deles que dormem até voltar a reencarnar nos lares que o esperam. Que Deus a abençoe e que você fique mais tranquila e em paz. Faça orações e caridade!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: