Publicado por: Dirceu Rabelo | 08/06/2012

A FÍSICA E O PRINCÍPIO INTELIGENTE DO UNIVERSO

A FÍSICA E O PRINCÍPIO INTELIGENTE DO UNIVERSO

Adolfo Guimarães
Centro de Estudos Espíritas Paulo Apóstolo, CEEPA
Mirassol – SP
 
A física, em seu aspecto teórico, ultimamente tem feito cogitações interessantíssimas. Uma delas, por exemplo, é a reavaliação dos conceitos vigentes de consciência, ou atividade cerebral.
 
Nas novas conceituações quânticas, a consciência não depende do cérebro, mas, ao contrário, é o cérebro que depende da consciência, o que já inverte o ponto de vista materialista (newtoniano), virando-o de cabeça para baixo.
 
De cara, isso faz com que a gente repense nossa mofada noção de realidade.
 
 
No esquema da árvore materialista os galhos, na verdade, são a raiz
 
Vai ficando obsoleta a maneira convencional de analisar a consciência, considerando-a como um resultado secundário (epifenômeno) da atividade cerebral.
 
Aquela história de que tudo começa com partículas produzindo átomos, átomos produzindo moléculas, moléculas produzindo neurônios, neurônios produzindo o cérebro e o cérebro produzindo consciência, tem transformado essa mesma consciência em um objeto — quando, na verdade, tudo é exatamente o contrário.
 
A consciência é a fonte organizadora e manipuladora dessas partículas.
 
 
O princípio inteligente do universo
 
Em 1857 as comunicações espíritas já haviam invertido a tese materialista quando revelavam a Allan Kardec que “o espírito é o princípio inteligente do universo”.
 
Respondendo às questões do codificador, revelavam muito mais. Afirmavam que, embora a matéria seja o liame que escraviza o espírito, este exerce sua ação sobre ela, tornando-a seu instrumento de manifestação.
 
E aqui fica bem claro: a consciência, em si mesma, é independente em sua realidade transcendente, embora, para manifestar-se na realidade física, necessite dos elementos interativos correspondentes com essa realidade.
 
 
A Inteligência Suprema
 
Algumas mentes arrojadas da física quântica chegam a afirmar que o universo é autoconsciente. Afirmam que mesmo o mundo material é criado por nós momento a momento. E o universo inteiro é criado para que a consciência possa se ver na criação.
 
Ressaltam a importância da criatividade e do amor como forças unificadoras que nos levam de volta à unidade, uma vez que ora nos encontramos desunificados da realidade maior, fundamental e transcendente em função de nossos condicionamentos.
 
É o jeito que os cientistas estão achando para expressar e, sem querer, confirmar aquela excepcional definição dada pelos espíritos, a respeito do Criador, contida na primeira questão de O Livro dos Espíritos, quando estes proclamaram a Allan Kardec: “Deus é a Inteligência Suprema do Universo”, a fonte geradora de todas as coisas.
 
 
“O universo é um todo de energias dinâmicas expressando o pensamento do Criador”
 
Os espíritos têm afirmado que o meio sutil em que o universo se equilibra é algo que pode ser descrito como fluido ou energia cósmica, uma espécie de“hálito divino”, uma força inabordável que sustenta e estrutura toda a criação. Dizem que esse fluido elementar seria a “base mantenedora de todas as associações da forma nos domínios inumeráveis do Cosmo, do qual conhecemos o elétron como sendo um dos corpúsculos-base, nas organizações e oscilações da matéria”, o que nos leva a idear o universo como um “todo de forças dinâmicas, expressando o pensamento do Criador”.
 
“Isso que chamais molécula está longe da molécula elementar”, diziam os espíritos a Allan Kardec, em 1857.
 
 
O pensamento imensurável do Criador sustenta e potencializa o pensamento mensurável da criatura
 
Assim, a física quântica, ao teorizar que o universo é autoconsciente, tenta focar nossa embotada atenção para o entendimento de que, nos fundamentos da criação vibra o pensamento imensurável da Unidade Primordial ou, como dizem os espíritos, da Inteligência Suprema.
 
É sobre esse plasma divino proveniente da Inteligência Suprema, segundo os espíritos, que o pensamento mensurável da criatura vibra, a constituir-se e afirmar-se no vasto oceano de força mental em que as potencialidades do espírito se manifestam.
 
Diante disso, nossos estreitos conceitos de “fora” e “dentro”, de “maior” e“menor”“tangível” e “intangível”“micro” “macro”“puro” e “impuro”,“inferior” e “superior”“verdadeiro” e “falso” sobram-nos esparsos e ineficientes, apenas como meras metáforas para nossa vã tentativa de apreender a vastidão do poema cósmico, magistral e inspiradamente concebido pelo incomparável Poeta Celestial!
 
* * *
——————-
 
“O Espírito não chega a receber a iluminação divina, que lhe dá, simultaneamente com o livre-arbítrio e a consciência, a noção de seus altos destinos, sem haver passado pela série divinamente fatal dos seres inferiores, entre os quais se elabora lentamente a obra da sua individualização. Unicamente a datar do dia em que o Senhor lhe imprime na fronte o seu tipo augusto, o Espírito toma lugar no seio das humanidades.”
Allan Kardec
1804-1869
in A GÊNESE, cap VI, item 19
Colaboração: Associação Internacional Poetas del Mundo
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: