Publicado por: Dirceu Rabelo | 31/08/2012

A DOUTRINA ESPÍRITA PRECISA SE BASEAR NA BÍBLIA?

OPINIÃO

A DOUTRINA ESPÍRITA PRECISA SE BASEAR NA BÍBLIA?

Milton Rubens Medran Moreira

.

Paulo de Tarso, também chamado de Apóstolo Paulo era conhecido como Saulo, antes de sua conversão ao Cristianismo, quando se dedicava à perseguição dos primeiros discípulos de Jesus na região de Jerusalém.

Espiritismo e Bíblia

            Impressiona-me a preocupação de alguns autores e articulistas espíritas em buscar, invariavelmente, os fundamentos de todas as questões e interpretações espíritas na Bíblia judaico-cristã. Passam a ideia de que, se não for explicado biblicamente, o espiritismo carece de fundamentos e de credibilidade.

            Reconheço que essa pode ter sido, em alguma medida, a preocupação de Allan Kardec na árdua tarefa de fazer, no Ocidente, a transição das ideias relativas ao espírito do universo da crença para o da razão. Em medida ainda maior, foi a preocupação de pioneiros do espiritismo brasileiro, como Luis Olimpio Teles de Menezes, Bezerra de Menezes e outros católicos fervorosos que, de repente, se viram tocados pelas ideias espíritas, a elas aderindo, sem, no entanto, abdicarem da fé cristã, coisa tida como de apostasia e de execrável ateísmo, naqueles tempos.  

            Terreno neutro

            Está mais que na hora de romper com o atavismo fideísta e nos libertarmos dessa tutela cerceadora. Em tempos onde viceja um espiritualismo pluralista, livre-pensador, cada vez mais desvinculado dos dogmas e das implicações religiosas, o espiritismo encontra amplos horizontes para se firmar como o “terreno neutro”, proposto por Kardec, onde as crenças cedem lugar à razão e onde algumas vertentes de uma ciência emergente se encaminham para o abono das propostas espíritas. É hora de aprofundar a ideia de que espiritualidade e religião são coisas diferentes. Enquanto aquela, no mundo contemporâneo, se firma como valor filosófico compartilhado por todos quantos reconhecem a primazia da consciência/espírito sobre a matéria, a religião se apresenta como intérprete de um mundo sobrenatural, capaz de derrogar, com prodígios e milagres, a lei divina ou natural. Dessa prerrogativa que lhes garante poder e fortuna, aqui, e a custódia da chave das portas do céu e do inferno, no além, as religiões não abdicam. Isso as afasta da genuína e natural espiritualidade.

            Reencarnação e cristianismo

A generosa ideia da reencarnação é incompatível com o cristianismo. Essa é a tese que levo ao XXI Congresso Espírita Pan-Americano, em Santos.

 Ao estruturá-lo, dando-lhe a feição sedimentada nestes seus 2.000 anos de história, Paulo de Tarso blindou o cristianismo contra qualquer especulação reencarnacionista: “o homem está destinado a morrer uma só vez e depois disso enfrentar o juízo”. (Epístola aos Hebreus). A ideia central e inderrogável do cristianismo é a da salvação pela graça. Todo o arcabouço cristão sustenta-se no mito da queda do homem pelo pecado original e consequente necessidade de um redentor que lhe devolva, por misericórdia, e em troca da crença e da adoração, o estado de graça e a beatitude eterna. Qualquer visão de Deus, de homem e de mundo que se oponha a isso deixa de ser cristã. A reencarnação opõe-se frontalmente aos principais fundamentos bíblicos.

              O cristianismo primitivo

               Dizer que o espiritismo é a revivescência do cristianismo primitivo também não procede. É a negação de seu caráter moderno e progressista. A História do pensamento anda para frente e não para trás. Os primeiros cristãos, por mais generosos e solidários que fossem, tinham uma visão pobre e equivocada acerca do destino do homem e do mundo. Acreditavam no fim dos tempos, a acontecer, logo ali adiante, na geração seguinte. Só eles seriam salvos. Todos os que não fossem batizados e cressem em Jesus Cristo estariam irremediavelmente condenados. Isso também é bíblico. E cristão. Bem diferente da mensagem humanista de um certo Jesus de Nazaré que não fundou qualquer religião e nunca foi cristão.

(Coluna do mês de setembro, publicada pelos jornais Opinião, do Centro Cultural Espírita de Porto Alegre, e Abertura, do Instituto Cultural ´Kardecista de Santos) – ESPIRIT BOOK

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: